Para transportadores, falta de mão de obra é o principal limitador

Sentimento das empresas sobre os principais problemas do setor foi levantado por pesquisa realizada pela NTC&Logística com 400 transportadores

A NTC&Logística (Associação Nacional do Transporte de Cargas e Logística) desenvolveu uma pesquisa com cerca de 400 empresas transportadoras envolvidas para avaliar suas perspectivas para este ano e apontar os principais gargalos que serão enfrentados pelo setor do TRC. De acordo com o levantamento, que buscou respostas para os anseios e perspectivas das empresas para o atual momento do setor, mais de 42% dos empresários acreditam que a falta de mão de obra qualificada é o maior limitador do setor. "Falta interesse do jovem em seguir a profissão de motorista, pois o caminhão é tratado como vilão, além de enfrentar muitas adversidades, inclusive de infraestrutura viária", explica a situação o presidente da entidade, Flávio Benatti.

Além desta informação , o levantamento da Associação também detectou que, neste ano, para 32,3% dos empresários, o mercado se manterá estável comparado a 2010, quando o crescimento médio foi de 15%.

Outros problemas como a ausência de capital para investimento, a má infraestrutura nas estradas, portos e aeroportos, e a falta de veículos e equipamentos também foram citados no estudo.

Mesmo com as adversidades em pauta, 65,8% das empresas acreditam que estão preparadas para atender a demanda prevista em 2011 e destes, 45,8% pretendem investir em frota de caminhões.

Também foi destaque da pesquisa a recomposição do frete, que permanece 14,15% abaixo do custo. “Evidentemente, o reajuste de 14,15% é apenas o mínimo desejável para equilibrar receitas e despesas e perdas acumuladas. É preciso, também, assegurar lucros que possibilitem os indispensáveis investimentos futuros”, comenta Neuto Gonçalves dos Reis, assessor técnico da NTC.


Victor José, do Portal Transporta Brasil

Postagens mais visitadas deste blog

Motoqueiros investem em criatividade para se proteger do Sol