Planejar para adaptar a gestão às transformações globais



Elaborar um planejamento estratégico para as empresas e implantar as ações propostas é, cada vez mais, uma questão de sobrevivência para os negócios. Mais do que isso, o plano auxilia as organizações a nortear seus objetivos, promover a melhoria contínua e buscar a excelência em gestão.


Diante de um cenário de incertezas e constantes transformações globais, é necessário que as empresas estabeleçam um planejamento estratégico dinâmico e adaptativo, utilizando as mais diversas técnicas gerenciais. Neste sentido, é fundamental para os gestores ter uma visão de futuro, ou seja, saber onde querem chegar e de que forma o farão. Traçar estratégias e planos a curto e longo prazos é uma das recomendações do Modelo de Excelência da Gestão® (MEG) da Fundação Nacional da Qualidade (FNQ).


Gustavo Utescher, gerente de processos da FNQ, concedeu entrevista à FNQ em Revista, dando dicas de como elaborar um planejamento estratégico eficaz, que ajude as empresas na busca pela excelência da gestão:

Qual o primeiro passo a ser tomado para elaborar um bom planejamento estratégico?
Primeiramente, é importante fazer uma análise dos ambientes externo e interno da empresa. Toda organização faz parte de uma rede complexa de forças ambientais que apresentam comportamento dinâmico e criam diversas oportunidades, facilidades, ameaças ou restrições que afetam o negócio. Para identificar esses fatores, é importante conhecer três tipos de ambientes: o macroambiente, que inclui os cenários político, legal, econômico, social e tecnológico em que a empresa está inserida; o ambiente operacional ou setor de atuação, que envolvem os comportamentos dos clientes, fornecedores, concorrentes e mercado-alvo; e, por fim, o ambiente interno, que determina as forças e fraquezas da organização.

Uma vez feita esta análise, como definir os principais objetivos a serem alcançados pela empresa?
Para isso, é de grande importância estabelecer uma visão de futuro para a organização, deixando claro o que os dirigentes esperam dela num determinado tempo. Ao definir a visão, a empresa deve estabelecer estratégias para direcionar esforços a fim de alcançar seus objetivos principais. Essas estratégias precisam levar em conta informações sobre clientes, mercados, fornecedores, colaboradores, bem como a capacidade de prestar serviços, produzir e vender. Isso ajuda a posicionar a organização de forma competitiva e a garantir a sua continuidade.

Qual a melhor forma de medir o sucesso do planejamento implantado?
Uma boa alternativa é criar indicadores que permitam avaliar e mensurar, por meio de resultados quantitativos, se a organização tem alcançado suas estratégias. O estabelecimento de metas de curto e longo prazo ajuda a definir níveis de resultados esperados, possibilitando a análise de desempenho do negócio.


E como engajar a equipe para atingir os resultados almejados?
A comunicação interna das estratégias, metas e seus indicadores e planos de ação é vital para o engajamento das pessoas na causa comum, aumentando a eficácia da liderança. Quando for pertinente, outras partes interessadas devem ser comunicadas para alinhar interesses e prevenir problemas de relacionamento comercial e institucional. A informação pode ser transmitida em quadros de aviso, folders, intranet, boletins informativos, memorandos internos, apresentações da direção da empresa, eventos de conscientização e até em canais informais.


Como evitar que mudanças de cenário alterem o planejamento a longo prazo?
Novos cenários e mudanças nos ambientes externos e internos surgem constantemente no mercado. Por isso, a promoção de revisões periódicas das estratégias ajuda a empresa a se antecipar a possíveis riscos do planejamento, que pode se inviabilizar por conta de alterações inesperadas ou imprevistas no ambiente ao redor da organização.

FONTE: FNQ - www.fnq.org.br

Postagens mais visitadas deste blog